Mapas sonoros para combater excesso de barulho

Por Redação MyFunCity/ Foto Fernanda Coronado

vista Elevado Minhocão, SP

vista Elevado Minhocão, SP

Quem mora em centros urbanos sofre com o excesso de barulho. Não importa o bairro, a classe social, ele simplesmente está em todos os lugares. Mas há esperança para os incomodados. Uma tecnologia já implantada em Fortaleza, capital do Ceará, faz o mapeamento sonoro dos pontos mais barulhentos.

A ferramenta permite que, a partir dos resultados, os gestores públicos providenciem políticas de combate à poluição sonora. Em São Paulo, há expectativa de que o município adote a medida. O processo de mapeamento sonoro já é realidade em países da União Europeia com mais de 250.000 habitantes.

E você, o que acha do assunto? Tem sugestões a dar? Críticas? Elogios? Entre no aplicativo do MyFunCity e deixe seu recado. Sua opinião será lida. Continue lendo

Sem catraca livre, greve em Recife prejudica mais de 2,5 milhões de pessoas

greve em recife

Direito à greve X direito à mobilidade

Por Flaviane Fernandes (São Paulo)

Desde a última segunda-feira, motoristas e cobradores do sistema de transporte rodoviário que atendem municípios do Grande Recife estão de braços cruzados. A paralisação já afeta 2,5 milhões de passageiros. O maior impasse é o reajuste salarial:  a categoria pede 10% e os empresários oferecem 5%. Além disso, os trabalhadores em greve querem aumento no valor do vale-refeição. De acordo com o consórcio Grande Recife, responsável pela administração do serviço, circulam pela Região Metropolitana da capital, 442 linhas de ônibus e são realizadas por dia aproximadamente 26 mil viagens. E nesse momento, apenas 70% da frota circulam pelas ruas. Nos primeiros dias de greve, houve depredações e 66 veículos foram destruídos.

Quanto à previsão de fim de greve, a Urbana –PE, Sindicato que representa as empresas, afirma que haverá um julgamento  de dissídio, quando os desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho determinarão o percentual de aumento a ser cumprido.

Diante desse impasse, sofrem os trabalhadores (que merecem salário justo), sofre a população (que tem dificuldade para se locomover). O dilema está presente em todas as greves de transporte público, de qualquer cidade, em qualquer ocasião. O professor Lúcio Gregori, consultor do Movimento Passe Livre e criador do projeto Tarifa Zero, acredita que a saída em situações como essa é o direito a catraca-livre — o passageiros usam o ônibus durante a greve, sem pagar passagem.  “Esse direito deve ser revisto e amparado por leis que substituam a legislação atual. Hoje, os grevistas que aderem ao catraca livre são responsabilizados pelos prejuízos da empresa”, lamenta o engenheiro Lúcio Gregori, que também já foi secretário dos Transportes da cidade de São Paulo, na gestão da prefeita Luiza Erundina.

E você, o que acha das greves do setor de Transporte Público. Tem sugestões a dar? Críticas? Elogios? Entre no aplicativo do MyFunCity e deixe seu recado. Sua opinião será lida.

Continue lendo

Mobilidade urbana: moradores da zona Sul de São Paulo criam página no Facebook para alertar sobre congestionamentos

M'Boimirim

Avenida M’Boi Mirim – Zona sul de SP-

Por Redação MyFunCity (São Paulo)

Como você avalia os problemas da sua cidade? Mobilidade urbana, Segurança, Educação, Saúde, Vias Públicas, Limpeza, Barulho, Transporte Público e Custo de Vida?  Você está satisfeito? Não é difícil encontrar críticos com o  funcionamento de alguns desses serviços. A mobilidade urbana, por exemplo, afeta milhões de cidadãos que moram nos grandes centros urbanos das cidades.

Em uma página no facebook, moradores de uma das regiões mais afastadas do centro da capital paulista, os bairros chamados “Fundão do Ângela”, Zona Sul, encontraram uma maneira para lidar com os congestionamentos enfrentados, quase que diariamente, na Avenida M’Boi Mirim. “A pista no sentido inverso do corredor de ônibus está parada. Acabou de passar um caminhão do Corpo de Bombeiros”, alerta internauta. A página também traz informações sobre o funcionamento das linhas Lilás do Metrô e da Esmeralda do trem, ambas utilizadas por quem mora nessa região. “Trens no sentido Grajaú com velocidade baixa, maior tempo de parada em Pinheiros. Estações lotadas”, alerta usuário.

E você? Gostaria de participar do debate? O MyFunCity oferece para você a ferramenta ideal para discutir e participar da mudança na prestação de serviços públicos. Por meio do aplicativo você opina e manda o seu recado para as autoridades públicas. Entre.  Faça o seu check-in e vote. Continue lendo

Repórter da cidade: curso promovido pelo Periferia em Movimento

reporter da cidade

O coletivo de comunicação Periferia em Movimento , em parceria com o Sesc Interlagos, promoverá o curso de comunicação repórter da cidade. As aulas começarão  09 de agoto e vão até  o dia 27 de setembro.  Ao todo serão oito encontros, todos aos sábados.  ”A comunicação social como ferramenta de aprendizado. É uma oportunidade para se lançar um olhar crítico sobre a metrópole a partir das bordas da cidade”, afirma o coletivo.  Mais informações no link . Que tal? Continue lendo

Foto Élcio Paraíso/ Bendita

Jogo de empurra-empurra no viaduto de BH

Por Liliane Pelegrini (Belo Horizonte)

Quase um mês depois da queda do viaduto Guararapes, que matou duas pessoas e deixou 23 feridos em Belo Horizonte, os responsáveis pela obra protagonizam um jogo de empurra-empurra a respeito das causas e responsabilidades pelo desabamento. Começou no dia tragédia, quando o prefeito Marcio Lacerda (PSB) afirmou que o caso seria apurado, atribuindo a queda, desde logo, a um erro de engenharia. “Acidentes como esse infelizmente acontecem”, afirmou então o prefeito, durante coletiva de imprensa no local. Depois disso, a empresa que fez o projeto, a Consol, e a construtora que o executou, a Cowan, trabalham, cada uma do seu lado, para provar que não erraram. Até o momento, porém, nenhuma conclusão oficial foi tirada.

Na semana passada, a construtora Cowan chegou a convocar uma coletiva de imprensa para apresentar laudos em que aponta causas e consequências do desabamento, responsabilizando a Prefeitura de Belo Horizonte, supervisora do projeto.

Em um desses laudos, o engenheiro e perito Eduardo Vaz de Mello atesta que a construtora cumpriu as normas exigidas para uma obra desse porte. “Todos os procedimentos e materiais utilizados foram realizados rigorosamente segundo as normas técnicas”, afirmou Vaz de Mello. No outro laudo, o perito e calculista Catão Francisco Ribeiro fez uma revelação surpreendente sobre um possível erro grave de cálculo do aço necessário para suportar o peso da estrutura. “Foi utilizado um décimo da quantidade de aço que deveria ter sido usada. Foi um milagre que não tenha desabado antes”, disse. Segundo ele, duas das dez estacas de sustentação cederam, levando junto o pilar central do viaduto. Continue lendo

Mais uma vez policiais são acusados de assassinatos

Por Redação MyFunCity 

policiais

Muda-se a cidade, mas o cenário é o mesmo. No último fim de semana,  no morro do Fogueteiro, Rio de Janeiro,  dois homens morreram em confronto com policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Em São Paulo, na favela CSU, Carapicuíba, a PM  também é acusada de matar sete pessoas em represália pela morte de um soldado no último dia 19. E a violência  por parte da corporação não para por ai.  Ela pode atingir qualquer um, a qualquer momento. Foi o que aconteceu  com a atriz  Luana  Brabosa, assassinada no dia 27 de junho desse ano  por um tiro disparado por um policial  em uma blitz de trânsito.

Como forma de protesto contra a morte da atriz,  foi marcado para hoje,  ao meio dia, um ato  na Praça do Patriarca, centro da capital paulista. De acordo com informações do Mães de Maio, o soldado que atirou em Luana  foi beneficiado com habeas corpus e está solto. E a Polícia Civil se recusa a abrir inquérito para investigar o caso. “Lua é mais uma vítima da militarização da polícia e de uma política de segurança pública incompetente e autoritária”, afirma nota na convocação pelo ato na página do facebook.

Já algum tempo, o MyFunCity vem chamando atenção para os índices de insatisfação popular sobre a segurança. Muitos dos usuários do MFC se sentem inseguros e os resultados podem ser conferidos nos seis relatórios divulgados até o momento. Continue lendo

ESPECIAL MYFUNCITY SUSTENTABILIDADE

what-global-warming_6372_600x450

Entrevistas, pesquisas e texto: Beth Caló (São Paulo)

Cidadão consciente, que briga por seus direitos e por um mundo melhor, pensa também na preservação da vida no nosso planeta. Até porque essas duas frentes de luta são indissociáveis. Muito se fala sobre Responsabilidade Social Empresarial, Sustentabilidade, Aquecimento Global, mas poucos sabem, de fato, o que significam esses conceitos. Grande parte das pessoas desconhece, também, os motivos pelos quais chegamos onde chegamos. É preciso que a gente se informe de verdade. Não dá pra perder mais tempo: já passou da hora de sairmos em defesa da nossa vida e da vida de toda espécie humana. As grandes brigas são importantes. As pequenas também – aquelas que começam no nossso dia a dia, na mudança de hábitos e de postura.

Tudo, absolutamente tudo, em nosso planeta, faz parte de uma longa cadeia de ações e reações.  Por isso, quando a natureza apresenta um comportamento desarmônico está, na maioria das vezes, apenas respondendo a uma interferência inadequada do ser humano. Que pode ser você, seu vizinho, um fazendeiro, um empresário, um consumidor, não importa. Apontar o dedo para este ou para aquele não trará de volta rios despoluídos, florestas virgens ou temperatura estáveis. Atormentar-se com a sensação de culpa também não leva nada, já que este sentimento, quase sempre, provoca um efeito paralisante. E precisamos justamente do contrário: da ação. É desejável, entretanto, que tenhamos boas informações sobre o que está acontecendo com a Terra, quais são as ligações entre elas, para que possamos entendê-las e, juntos, buscar soluções. Aqui vão algumas pistas. Clique nos hiperlinks em vermelho. Ligue os pontos entre eles e tente perceber a figura que aparece. Continue lendo

A luta pelo direito à maconha medicinal

Lembrada pelo filme “Luta”, a morte do garoto Gustavo Barbosa Mendes reacende o urgente debate sobre a liberação do canabidiol, uma das substâncias da maconha, pela Anvisa

Por Lucas Buzatti (Belo Horizonte)

Foto 1

A família de Gustavo lutava pela liberação do canabidiol, a fim de reduzir as crises epiléticas do garoto

Por Lucas Buzatti (Belo Horizonte)

No dia 29 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) adiou a decisão que retiraria o canabidiol (CBD), um dos componentes ativos da maconha, da lista de substâncias proibidas no Brasil. A mudança tornaria legal o uso do CBD mediante prescrição médica, mas a agência reguladora pediu vistas do processo para se informar melhor sobre o assunto, conforme autoriza a Portaria 616/2012.

Na mesma data, Gustavo Barbosa Mendes, de um ano e quatro meses, sofreu uma convulsão grave em Brasília e, três dias depois, morreu. O garoto sofria com a Síndrome de Dravet e sua mãe, Camila Guedes, lutava pelo acesso ao canabidiol, a fim de reduzir as crises epiléticas geradas pela doença e contornar o quadro clínico do filho.

A presidência da Anvisa determinou abertura de processo de investigação sobre a morte de Gustavo. No dia 17 de abril, a agência havia autorizado, em caráter excepcional, que a família do menino importasse o medicamento contendo canabidiol. O caso é um entre 36 pedidos de importação recebidos até agora pela Anvisa, que já liberou 18, enquanto 12 seguem aguardando exigências. Há, ainda, um arquivado, três em análise e dois mandatos judiciais. Continue lendo

O dinheiro da Santa Casa

images

Em nota divulgada hoje, o Ministério da Saúde  afirma que mais de R$ 54 milhões de recursos federais, que deveriam ter ido para a Santa Casa, de São Paulo, não foram repassados pela Secretaria Estadual de Saúde do Estado. Esses valores são referentes a  2013 e 2014. A reportagem do MyFunCity acompanhou, durante os últimos dias, as histórias de quem buscou atendimento naquela instituição hospitalar e não conseguiu. Continue lendo

Desculpas, por favor

Por Beth Caló

santander

Estamos aqui. Esperando. Esperando quanto tempo precisar. Como se dizia antigamente, nós não vamos arredar pé. Braços cruzados, esperamos que a instituição financeira de origem espanhola, chamada Santander, venha a público e peça desculpas à sociedade brasileira.

Senhores diretores, presidente e demais representantes da empresa, deem-nos alguma desculpa. Rapidinho. Apenas expliquem por que depois de ter sucesso em seu empreendimento (não estamos falando que ganham rios de dinheiro em nosso país, vejam bem) vocês resolvem dar palpites em nossa política interna? Por quê? Continue lendo